RPER N.º 07

"Capital humano, falências empresariais e produtividade.
Uma análise empírica das regiões portuguesas"


Resumo:

Ao nível microeconómico alguma evidência sugere que a acumulação de capital humano está associada a taxas de falência empresariais mais elevadas. Por outro lado, ao nível macroeconómico a maioria dos estudos sugere uma relação positiva entre acumulação de capital humano e a dinâmica da produtividade.

No presente artigo tenta-se compatibilizar as evidências micro e macro recorrendo ao argumento teórico que traduz a questão schumpeteriana da destruição criativa. Os resultados empíricos, baseados em dados relativos a 28 regiões e 275 concelhos portugueses entre 1990-1999, sugerem que regiões que apresentam maiores níveis de capital humano são aquelas que, em média, têm maiores níveis de rendimento per capita e taxas de falência de empresas mais elevadas. Tal aponta importantes implicações de política, nomeadamente que medidas envolvendo incentivos à escolaridade deveriam ser complementadas por medidas tendo por objectivo facilitar os processos de falência.


Palavras-chave: Capital humano, Produtividade, Falências, Regiões


Voltar